JUNTOS, VAMOS VENCER!

Confira os boletins diários da COVID-19

Boletins SESA-PR

Enfermeiro virtual

Ministério da Saúde

Gráficos do Brasil

Campanha no Paraná

Mapa global

NOTÍCIAS

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

PERGUNTAS FREQUENTES:

O que é coronavírus?

Os coronavírus (CoV) são uma família de vírus que causam infecções respiratórias geralmente leves a moderadas nos humanos. A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) são exemplos de infecções por um subtipo de CoV. O coronavírus 2019 (COVID-19) surgiu na China em dezembro de 2019 e é o responsável pela atual pandemia.

Como é transmitido?
  • A incubação do coronavírus é de 2 a 14 dias, e sua transmissão ocorre principalmente durante os sintomas.
  • O número reprodutivo do coronavírus é 2,75, ou seja, uma pessoa contamina entre 2 e 3 pessoas (enquanto o da gripe comum é 1,3 e o do H1N1 é 1,5);
  • A transmissão ocorre principalmente por via respiratória, pelo ar, através de gotículas e também por contato (pelas gotículas depositadas sobre os objetos e roupas etc);
  • A transmissão também pode acontecer ao cumprimentar alguém muito de perto, seja apertando as mãos, beijando o rosto, abraçando etc.

Por isso, neste momento, evite essas práticas e apenas cumprimente as pessoas de longe. Ah, e se alguém te achar antipático, aproveite e explique o que você aprendeu por aqui! Quanto mais gente tiver informações confiáveis como essas, melhor!

Como se prevenir?
  • A transmissão do coronavírus ocorre pelo contato com secreções de boca e nariz. Por isso, devemos usar medidas de etiqueta respiratória, como: Lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos, com frequência, e quando não for possível, limpar e higienizar as mãos com álcool gel 70%; Ao tossir ou espirrar, cobrir a boca e o nariz com o braço, usando a dobra do cotovelo – nunca utilizar as mãos; Evitar encostar as mãos não lavadas nos olhos, boca ou nariz;
Quais os sintomas?

Aproximadamente 80% dos casos apresentam sintomas leves, similares a uma gripe, como coriza, febre, tosse. Alguns podem apresentar também congestão nasal, mal estar, dores no corpo, dor de garganta, dor no peito e dificuldade para respirar. Nos casos leves, o tratamento sintomático e repouso são suficientes para a completa recuperação sem sequelas. Entretanto, algumas pessoas podem apresentar sintomas mais graves (VEJA SINAIS DE ALARME) e necessitar de atendimento médico, internação e cuidados intensivos.

Sinais de alerta
  • Febre persistente por mais de 48h;
  • Falta de ar;
  • Esforço para respirar;
  • Pele pálida ou azulada;
  • Náuseas e vômitos;
  • Idade acima de 80 anos;
  • Criança muito sonolenta.

Atenção: pacientes com doenças crônicas como pressão alta, diabetes, doença pulmonar, renal, insuficiência cardíaca, arritmia, transplantados, imunossuprimidos e oncológicos têm maior chance de ter um quadro mais grave. Por isso, devem procurar avaliação médica frente a qualquer dúvida ou sintomas diferentes.

Use máscara!
  • Se você estiver tossindo ou espirrando, ou estiver com sintomas suspeitos de corona, utilize uma máscara para evitar transmitir o vírus para outras pessoas;
  • Se você estiver cuidando de alguém doente, com suspeita ou confirmação de coronavírus, utilize uma máscara para evitar que você fique doente;
  • É importante retirar a máscara pelas alças e não tocar na parte onde respira. Além disso, a máscara deve ser trocada sempre que ficar úmida.
Tratamento

O principal para os casos leves é o tratamento sintomático e cuidados gerais como hidratação, alimentação equilibrada e repouso. Para os casos graves, o suporte respiratório em centro de referência é a medida mais adequada.

Posso viajar?

Avalie com cautela a real necessidade da viagem, mesmo que você não esteja no grupo de risco para os casos mais graves. Ao viajar, seu risco de contágio aumenta, dificultando o controle da doença.

Além disso, se for infectado, você pode passar a doença para amigos e familiares que estejam no grupo de risco. Caso a viagem seja imprescindível, tome todas as precauções orientadas e pratique a etiqueta respiratória. Ao voltar, preste muita atenção em sintomas por 14 dias e avalie aqui se seu caso pode ser grave ou não.